Quanto os cartórios faturam?

Há confusão entre o que os cartórios arrecadam e o que é destinado aos seus titulares. Dos valores recolhidos pelos cartórios, há repasses para a Fazenda do Estado e a outras entidades, incluindo (dependendo do estado) Judiciário, fundo de assistência judiciária gratuita, Ministério Público, dentre outros. Em São Paulo, por exemplo, 37,5% do valor de cada ato pago ao cartório é imediatamente recolhido ao Estado. Somado aos 27,5% de Imposto de Renda, encargos sociais e tributários, esse índice ultrapassa facilmente os 60%. Há, ainda, as despesas de funcionamento do cartório (salários, aluguel, papel, computadores, softwares etc.). Mesmo assim, segundo estudo do Banco Mundial, o custo dos atos notariais e registrais no Brasil é um dos menores do mundo. Na verdade, existem cartórios lucrativos e outros deficitários ou em luta para sobreviver em pequenos municípios, em época em que crescem as exigências de investimentos em atendimento e informatização para a melhoria das atividades.

 

Fonte: Anoreg-BR

 

 

 

  • O que são os cartórios?
  • Quais são os principais serviços notariais e registrais?
  • O que fazem os cartórios?
  • Quem são os profissionais responsáveis pelos cartórios?
  • Os titulares dos cartórios são funcionários públicos ou particulares?
  • Como se dá o ingresso na atividade cartorária?
  • Os titulares são "donos dos cartórios"?
  • Os cartórios são passados de pai para filho?
  • Quem fiscaliza os cartórios?
  • A população confia nos cartórios?
  • Quais as reclamações dos usuários?
  • O que os cartórios estão fazendo para melhorar os serviços?